Espelho, espelho meu, vai encarar?

 

1. Arte & manhas

Na Arte, o espelho sempre foi metáfora ou metonímia da Vaidade.

Natural que, até no princípio clássico da imitação, se veja a imagem narcísica do espelho refletida no processo de assimilação-apropriação refletora e/ou refratora das fontes e modelos.

Em tese, a assimilação-apropriação refletora seria mero servilismo. Reprodução parafrásica de epígono, não passaria de cópia quase xerográfica (ou tradução com outras palavras) da fonte modelar:

O Semeador, 1850, de Jean-François Millet, e O Semeador, 1890, Van Gogh.

A margem de recriação diferenciadora na imitação --- terceira margem: imitar tornando seu o que imita --- repousa na assimilação-apropriação refratora, que resulta em menor ou maior desvio do modelo. Seja enquanto rearranjo ou reordenação (estilização)

    

A Vênus de Urbino, 1538, Ticiano  e A Vênus do Espelho, 1648-1650, Velázquez;

         

A Maja Desnuda, Goya, 1795; Olympia, Manet, 1863; Nu reclinado, Amedeo Modigliani, 1917,

seja enquanto deliberada e derrisória negação (o contracanto paródico):

         

Inocêncio X, Velázquez, 1650, e Estudo do retrato do papa Inocêncio X de Velázquez, Francis Bacon, 1953.

 

 

2. Exercícios de caligrafia

Nas Letras, os exercícios de caligrafia literária também se fazem decalcando os modelos. Desbordando-lhe as linhas. Preenchendo-lhe as entrelinhas:

Autopsicografia                                         Autopsicografia da Dor em Pessoa                     

O poeta é um fingidor,                                O poeta é um fingidor?

Finge tão completamente                            Pessoa que se finge em (m)ente

Que chega a fingir que é dor                        Ou a Dor * se finge dor

A dor que deveras sente.                             Em pessoa que não A sente?

 

 

E os que leem o que escreve,                       E quem lê o que escreve

Na dor lida sentem bem,                              A Dor que lida em pessoa,

Não as duas que teve,                                 Sente a dor que nunca teve

Mas só a que eles não têm.                          Eco de Dor que não soa.

 

E assim nas calhas da roda                            E assim, girando à roda,

Gira, a entreter a razão,                                Ciranda a dor em Pessoa.

Esse comboio de corda                                  (Razão, és meu trem de corda.

Que se chama coração.                                  Coração, doa o que doa!)

 

                                                                  ____________

                                                                  *--- O poeta? Há um punho

                                                                               que o cria. Ei-lo inteiro

                                                                                na trova: mero rascunho

                                                                                de quem sou ser verdadeiro.

 

No princípio clássico da emulação criativa, o talento se mira na retina do olho alheio --- seu espelho de Narciso, vaidoso, revendo-se a si próprio à imagem e semelhança do outro.

Autopsicografando a autopsicografia, quem ressoa? O Fernando ou Eu --- sua outra pessoa?