Henri-Julien-Félix Rousseau, o Aduaneiro

                                           (*Laval,  21/5/1844 -  Paris, 2/9/1910)

 

                          1.                Sonhar era preciso

   

 

(A Musa inspirando o poeta, 1909)

Convenhamos que a musa de Henri-Julien-Félix Rousseau não primava pela beleza. Mas desde quando a realidade, espelho-espelho-meu da musa inspiradora, é sempre bela? Com aquela ingenuidade que se atribui aos naives, procurou embelezá-la, 

 

(O Sonho, 1910)

sendo o pintor de sonhos

Alheios ou próprios. Afinal, na Cigana adormecida

quem a bela, quem a fera? Quem é o sonho íncubo ou súcubo de quem? A cauda leonina figura o pincel de seu inconsciente?

 

Ter Félix no nome não é garantia de felicidade. Sonhava com ela, em moldes arcadicamente burgueses: num parque ― simulacro do paraíso terrestre ―,

                                                                                                  (Quarteto feliz, 1902)

um casal mais o filhinho e o indefectível cão, todos muito felizes, unidos pela gavinha que os enlaça numa jura de amor e fidelidade eternas.

Casou-se duas vezes.

Com Clèmence (vitimada pela tuberculose em 1888) e com Josephine (em 1899, falecida em 1903). Quatro de seus filhos― darwiniana seleção natural da espécie? ―, morreram também de tuberculose. Nem sempre a vida tem o condão de realizar os sonhos da arte.

Natural precisasse fugir do cotidiano marcado pelas dificuldades financeiras, pela doença, pela tristeza.

Ironia do destino, foi fiscal aduaneiro,

(Posto aduaneiro, 1890)

mas nunca viajou. Outro Álvaro de Campos (aquele que, engenheiro naval, nunca pusera os pés num tombadilho, ancorado em sua mansarda abúlica), Félix Rousseau, tal qual o marinheiro fernando-pessoano, precisava reinventar-se, contrabandeando-se para espaços oníricos, fosse por águas tormentosas,

                                                                             (Barco sob tormenta)

por asas de 14bis, etéreos zepelins

                                                                   (Vista da ponte de Sévres, 1908)

ou a bordo de balões vagabundos e libertários.

Procurou fugir da cidade ― essa ameaça ao bom selvagem de sua alma. Primeiro, aprisionando em vasos

                                                                                        (Buquê de flores)

a natureza; depois, rumo aos jardins domesticados

                                                                                      (Jardim de Luxemburgo)

de nosso arcádico sonho domingueiro.

Natureza inautêntica, burguês arremedo de selva na cidade, era preciso embrenhar-se em selvas verdadeiras. Desconhecendo-as, sonhou-as.

                                                                                (Selva equatorial)

Orfeu dos pincéis, procurou encantar-lhe e decantar-lhe os malefícios.

                                                                           (A encantadora de serpentes, 1907)

Inútil esforço. Desencantado, viu que sua selva exótica nada tinha de paradisíaca. Seu pincel só registrava a lei da sobrevivência predatória do mais forte.

                                                                              (A refeição do leão, 1907)

A mesma lei imperante na selva de pedra da sociedade dita civilizada. Sua pintura acabou trazendo-o de volta à realidade, fazendo-o perceber o círculo determinista do meio.

Surpresa mesmo desagradável

                                                                     (Surpresa desagradável, 1901)

sua natureza ter cedido à tentação do meio?

                                                                                  (Eva, 1905-07)

Devorou as maçãs que lhe puseram ao alcance. E não eram aquelas com que Cézanne queria assombrar Paris.

 

 

                        2.                Struggle for life

De família pobre, pobre ao longo da vida, Henri Rousseau teve de lutar pela sobrevivência. Talvez assim se entenda a temática darwiniana do struggle for life inscrita no exotismo de seus quadros ambientados numa selva onírica.

                                                                     (Cavalo atacado por um jaguar, 1910)

Para incrementar o orçamento de fiscal aduaneiro (posto em que vegetou por vinte e dois anos) foi também autor de melodrama (“A vingança de uma órfã russa”), compositor (da valsa “Clemence”), músico de rua ― talentos por que passou despercebido ―, enquanto sonhava grandeza. Queria ombrear-se a pintores como Renoir, Manet & Cia. Ltda.

                                                                    (Eu próprio retrato-paisagem, 1890)

Pondo-se num eixo imaginário entre o Louvre e a Escola de Belas Artes, autorretratou-se agigantado, cabeça nas nuvens, quase do tamanho da Torre Eiffel. Nem mesmo esqueceu de condecorar a lapela com a distinção palmes académiques.

O bom selvagem que vigia nesse Rousseau

                                                                                     (Luta entre gorila e índio, 1910)

teve de lutar contra a influência deletéria do meio, do momento e da raça. Em 1907 foi acusado de fraude bancária e falsificação de documentos.

                                                                                         (Henri Rousseau – foto)

Sob o nome de Bailly levantara 21.000 francos no Banque de France para Louis Sauvaget (que não se perca pelo nome o mau selvagem), empregado bancário que era seu parceiro e comparsa no golpe. Condenado a dois anos de prisão teve a pena suspensa. (Rousseau já amargara um mês de prisão por furto de 20 francos quando, ainda jovem, trabalhara num escritório de advocacia.)

Rousseau vinha, ao cabo do périplo de seu pincel, comprovar a tese de seu xará mais afortunado. Às mãos da fábula dessa tal  primitiva inocência,

                                                                       (A criança e a marionete, c. 1903)

Félix Rousseau não passara de uma marionete social. A comédia humana às vezes se inscreve na bufonaria da Commedia dell’arte.