Autorretrato, II

Quando vejo esse Autorretrato, II (1976), de Roy Lichtenstein,

pergunto-me:

- Modelo pronto a vestir? Carapuça que serve sob medida? Ou seria tamanho único em que, absurdamente, todos cabemos?

 

Bico de pena, II

Espelho, espelho meu,

partido em estilhaços,

busco em tua feição os traços

do que em mim se perdeu.

 

De paletó e gravata,

lenço qual flor na lapela,

minha alma parece aquela

que em teu pincel se retrata?

 

Talhe e corte de alfaiate,

ei-la feita sob medida,

fragmentado disparate:

 

és o ser de mim deposto,

vida em retalhos tecida,

autorretrato sem rosto.

 

Enfim, todo autorretrato me lembra um cartaz de procurado.

Oxalá se encontre. Ainda Vivo.