Maurice Utrillo

(* Montmartre, 26/12/1883 – † Montmartre, 5/11/1955)

Maurice Utrillo, Picasso

 

1.   Certeza de mãe

Suzanne Valadon

(*Bessines-sur-Gartempe, 23/9/1865 - † Paris, 7/4/1938),

sedutora como a tentação, na mocidade,

Adão e Eva, Suzanne Valadon, 1909

quando também andava pintando o sete,

sabia que Maurice era seu filho.

O pai?

Não se sabe. Talvez nem ela soubesse. Cadê a certeza de mãe?

Renoir?

Autorretrato, Renoir

Pé de valsa, ainda apto para os embalos de sábado à noite, em Bougival, com Valadon,

Dance at Bougival, Renoir

bem antes da artrite reumatoide que só não conseguirá paralisar-lhe o talento.

Degas?  

Autorretrato, Degas

Saindo de fininho, à francesa?

Fora modelo de ambos.

Retrato de Suzanne Valadon, Renoir

Moça (Valadon) trançando os cabelos, Renoir

Suzanne Valadon, (A banheira), Degas

                                                                                                                                                                                       
Mulher (Valadon) na banheira
, Degas  

            E também posara para Lautrec e Puvis de Chavannes.

                                                            

            Suzanne Valadon, (Sem título), Puvis de Chavannes

2. Diz-que-diz

Baba de línguas venenosas, conta-se a seguinte história:

Após o nascimento de Maurice, Suzanne procurou Renoir para quem posara nove meses antes. Renoir olhou o bebê e disse: “Não pode ser meu. A cor é horrível.” Procurou Degas, para quem também posara. Ele disse: “Não pode ser meu. A forma é horrível.”

Maurice brincando com elástico, Suzan Valadon

Num café,

Suzanne Valadon (A Ressaca), Tolouse Lautrec

encontrou um pintor conhecido seu, para quem não posara, de nome Miguel Utrillo,

Miguel Utrillo no Moinho de la Galette, Santiago Rusinhol

e desabafou suas mágoas.  Miguel, muito elegantemente, disse-lhe que pusesse no garoto o sobrenome Utrillo:

─ Ficaria muito contente de pôr meu nome no trabalho seja de Renoir, seja de Degas.

 

3.   Psicologia de almanaque

Dir-se-ia que, desgostoso por ignorar quem o pai,

sem bom exemplo e modelo masculino a quem imitar e seguir,

agarrado à saia da supermãe,

encontrou-se num beco sem saída, 

Dead end

e se entregou a arruaças e bebedeira.

Internado várias vezes, a pintura serviu-lhe (ó, incrédulos!) de terapia:

Maurice Utrillo au Vésinet, 1946, Robert Doisneau

O tema predominante, Montmartre hibernal

Igreja de S. Pedro

Place des Abesses, 1931

La Maison de Mimi Pinson sous la niege

─ forma vicária de pintar a frieza da rapidinha com que

Cabaret Le Lapin Agile

fora concebido filho natural numa noite de esbórnia?

Montmartre, contudo, reconheceu-o como filho legítimo. Natural que lhe registrasse as certidões de nascimento e de óbito: 

4.   Perdigão

Perdigão que o pensamento subiu a um alto lugar,

alguém topa escalar as escadarias da Rue Maurice Utrillo, na colina de Montmartre,

e ─  divagar e sempre ─ tentar desvelar, por exemplo,

 sob a aparência atual do Moulin de la Galette,

a reminiscência do que um dia serviu de modelo

a Maurice Utrillo?